Notícias

Atentado Poético – Arte Pública

O mês de março sempre foi um mês especial para nossa escola, pois é o mês de preparação do Atentado Poético. As aulas ganham temáticas e contornos diferentes, os alunos articulam apresentações públicas, declamações poéticas, intervenções cênicas e preparam-se para o encontro com a comunidade. Em março, a Fundação Torino respira e pulsa arte.

Atentos às discussões que envolvem hoje a arte urbana, trouxemos a “Arte pública” como eixo temático para a nossa 14ª edição do Atentado Poético. No ano passado, trabalhamos o tema “a cidade que temos e a cidade que queremos” e levamos para as ruas o resultado de nossas reflexões (clique aqui para relembrar).

Segundo a definição da Enciclopédia Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras, entende-se por arte pública a arte realizada fora dos espaços tradicionalmente dedicados a ela, os museus e galerias. A ideia geral é a de uma arte fisicamente acessível, que modifica a paisagem circundante, de modo permanente ou temporário. As obras articulam diferentes linguagens – dança, música, pintura, teatro, escultura, literatura, desafiando as classificações habituais, colocando em questão o caráter das representações artísticas e a própria definição de arte.

Convidamos a Galeria quartoamado  para ser nossa parceira na preparação e execução desta nova edição do Atentado Poético. Quartoamado é uma galeria de arte contemporânea que desenvolve projetos para tornar as artes plásticas mais próximas e presentes no cotidiano da cidade. A galeria representa 12 artistas locais e realiza residências artísticas em comunidades específicas, respeitando identidades e valores estabelecidos, trabalhando a arte como ferramenta de conectividade e transformação. Recentemente, foi criado um braço educativo na galeria com o intuito de construir e ampliar o conhecimento em arte local, mobilidade urbana e ocupação dos espaços na cidade.

Estamos na fase de preparação das atividades, confira o que está acontecendo:
– seminário sobre Arte Pública;
– leituras sobre o tema;
– oficinas de grafite, stencil, hand lettering;
– criação de lambes poéticos;
– preparação de apresentações musicais;
– preparação do sarau de poesia;
– preparação de intervenções cênicas.

 

SEMINÁRIO

No dia 08 de março, realizaremos um seminário sobre Arte Pública. Artistas urbanos, pesquisadores, arquitetos urbanistas e galeristas estarão na Fundação Torino para um bate-papo com os alunos da Superiore.

Conheça nossos convidados:

Bernardo Biagioni:
Bernardo Biagioni é poeta, jornalista e curador de arte. Entre 2007 e 2012, foi repórter de viagens da Revista Ragga (Jornal Estado de Minas), e enviou relatos de Holanda, França, Peru, Cuba, Chile, Estados Unidos, Uruguai e outros países. É criador do ateliê de ideias iLoveBubble – que agitou e documentou movimentos artísticos e culturais em Belo Horizonte entre 2010 e 2013. Atualmente desenvolve a galeria de arte quartoamado, que idealizou em 2012 com o objetivo de articular e ampliar espaços e perspectivas para artistas locais em torno de ocupações criativas de espaços públicos e privados.

Brígida Campbell:
Brígida Campbell é artista e professora do curso de graduação em Artes Visuais da EBA-UFMG. Doutoranda em Artes Visuais na ECA-USP e mestre pela EBA-UFMG. Colaboradora do EXA – Espaço Experimental de Arte, em Belo Horizonte [www.exa.art.br]. Faz parte do Poro [www.poro.redezero.org], dupla que realiza trabalhos coletivos desde 2002. Como artista já participou de diversas exposições no Brasil e no exterior. Autora do livro “Arte para uma cidade sensível”, resultado da “Bolsa de Estímulo a Produção em Artes Visuais da Funarte 2014” [www.arteparaumacidadesensivel.wordpress.com].

Maria Raquel Bolinho:
Maria Raquel Bolinho é uma grafiteira que iniciou suas intervenções por Belo Horizonte, em 2009, quando criou o personagem Bolinho. Seu intuito é ocupar o espaço urbano com cores e dividir com milhares de pessoas sua paixão por doces e arte! Atualmente já foram pintados mais de 600 Bolinhos, que podem ser encontrados por toda BH, sempre com cores vibrantes e traços fortes.

Brotos Oficina
A Brotos é um híbrido de escritório de arquitetura e paisagismo, oficina de marcenaria e viveiro de mudas, criado por Núria Camargos e André Neves Perillo. Núria é arquiteta urbanista, formada pela UFMG. Atualmente, investiga processos participativos ou autônomos de gestão, projeto, construção e agricultura urbana. André Neves Perillo é antropólogo, formado pela UFMG. Na Brotos, desenvolve investigação de mobiliário e reuso de móveis com história em marcenaria própria, além de executar projetos de marcenaria e paisagismo.

 

OFICINAS
No dia 11/03, os alunos da Superiore participarão de oficinas com artistas convidados:

Grafite
Luis Matuto
Formado em Design Gráfico pela UEMG, frequentou o Atelier de Gravura da UFMG. Atualmente, dedica-se com paixão a estudar as possibilidades da gravura e dos tipos móveis de Gutenberg, aliado a elementos presentes no design como tipografia e apropriação de imagens.

Maria Raquel Bolinho
Maria Raquel Bolinho é uma grafiteira que iniciou suas intervenções por Belo Horizonte, em 2009, quando criou o personagem Bolinho. Seu intuito é ocupar o espaço urbano com cores e dividir com milhares de pessoas sua paixão por doces e arte! Atualmente já foram pintados mais de 600 Bolinhos, que podem ser encontrados por toda BH, sempre com cores vibrantes e traços fortes.

Stencil
Clara Valente
Formada em Artes Plásticas pela Escola Guignard, Clara especializou-se em Pintura e Desenho. Seu trabalho traduz paisagens em geometrias orgânicas, enquanto as suas cores particulares ganham vida nos elementos sol, água e lua.

Hand-Lettering Poético
Pedro Valentim
MC, poeta e jornalista de Belo Horizonte que atua no coletivo Família de Rua, grupo que realiza, entre outras ações, o Duelo de MCs. Autor do projeto Um Poema por dia, que une versos autorais e caligrafia urbana em poemas diários publicados no Facebook e Instagram. Recentemente, o trabalho extrapolou as telas e as artes e os textos foram estampar cadernos, cadernetas, cartões postais, marcadores de página, camisetas, quadros e pôsteres, com peças únicas produzidas artesanalmente, a partir da pesquisa e do reaproveitamento dos mais diversos tipos de papéis.

Os alunos da escola Média também farão aulas de Stencil com os professores Márcia Alvarenga e Luciano Sepulveda, criarão lambe-lambes poéticos com a professora Daniela Mendes e estão preparando apresentações musicais com a professora Clarissa Sudano.

Aguardem as notícias de nossa Feira de Arte Pública, momento em que apresentaremos os resultados de todas essas atividades e convidaremos vários artistas locais para estarem conosco.

25 de março – Feira de Arte Pública da Fundação Torino
Save the date!

 

 

Exposição Fotográfica – Intercambistas pelo Mundo

A Fundação Torino inicia o ano de 2017 recebendo, a partir do 2 de fevereiro, a exposição “Intercambistas pelo Mundo”, da fotógrafa Carol Reis. A mostra é composta por 22 fotografias e emoldura as experiências e descobertas de intercambistas de várias partes do mundo em viagens pelo Brasil, Estados Unidos e Europa. Com entrada gratuita e classificação livre, a exposição fica aberta para visitação, dos alunos e da comunidade, até o dia 3 de abril, de segunda a sexta, das 10h às 21h.
As fotos que compõem a exposição são de estudantes estrangeiros, com idade entre 15 e 18 anos, em viagens pela Amazônia, Pantanal e Nordeste Brasileiro, Havaí, Paris, Budapeste, Veneza, Roma, Amsterdan, Bratislava. As imagens começaram a ser registradas em 2007, quando Carol Reis firmou uma parceria com a agência de viagens Belo Brasil Tours e embarcou em uma expedição de intercambistas pela Amazônia. A partir de então, a fotógrafa teve a oportunidade de clicar muitas outras experiências desses jovens, sendo a mais recente delas pela Europa. “Voltei ao velho mundo, respirei novos ares, me inspirei em histórias guardadas em castelos, experimentei de corpo e alma o banho húngaro em Budapeste, andei de bicicleta por Amsterdã e tantas outras aventuras compartilhadas com esses estudantes. Alguns desses momentos poderão ser vistos na exposição”, revela Carol Reis.
A mostra reforça as ações educacionais da Fundação Torino, uma escola internacional que tem a premissa de fazer conexões entre diversos temas, sempre em diálogo com a cultura e a arte. “A Fundação Torino acredita que educar é um processo amplo e multifacetado, não devendo ser restrito aos conteúdos curriculares tradicionais. Para uma efetiva formação cultural e humanística, é preciso que haja momentos e atividades que ultrapassem os limites da sala de aula e envolvam também a comunidade, destaca a diretora-geral da Fundação Torino, Márcia Naves.

Carol Reis tem no seu DNA o apreço e a admiração pelas mais variadas formas de expressão artística. De família de imigrantes italianos, originários da Sicília, o bisavô, Salvador Trópia, foi dono de salas de exibição de filmes em Ouro Preto, e a avó, Geraldina Trópia, tocava piano nas sessões de cinema, numa época em que a sétima arte apenas realizava filmes mudos. Influenciada por esse ambiente familiar, impregnado de imagens e melodias, Carol faz da fotografia a sua linguagem.

Formada em Jornalismo pela PUC-Minas, colocou o pé na estrada, ou melhor, nas trilhas. Fotografou provas de motocross e enduro no Brasil e logo depois foi registrar os maiores campeonatos mundiais sobre duas rodas. Viajou pela Espanha, Portugal, Itália, França e República Checa… A fotografia revelou-lhe o gosto por desvendar o mundo, conhecer paisagens e culturas diferentes.

Mais tarde, abandonou as trilhas de poeira do motocross para fincar os tripés nas quadras de vôlei, como fotógrafa oficial do time masculino do Minas Tênis Clube, equipe tricampeã brasileira da modalidade, nos anos de 1999 a 2001.

Em junho de 2007, foi convidada por Bernardo Gontijo, presidente da Belo Travel, para fotografar uma expedição de estudantes estrangeiros em terras brasileiras, mais precisamente, na Amazônia. Foi o começo de uma parceria de 10 anos, que já lhe rendeu viagens pelos Estados Unidos e países da Europa.

Sempre acompanhada de suas lentes, Carol também realizou diversas viagens pessoais. Em 2008, foi estudar inglês na Cidade do Cabo, na África do Sul. Dois anos depois, foi respirar os ares da terra de seus antepassados, na Sicília, Itália. E, nesse mesmo ano, participou de uma expedição, junto a uma caravana de outros quinze veículos 4×4, que percorreu 12 mil quilômetros na América do Sul, passando por cinco países.

Inquieta, fazendo do mundo um lugar perto do coração, foi mais longe e chegou à China. Desse mergulho oriental, nasceu “Life in Box”, mostra com 40 imagens (principalmente retratos) que aportou, primeiro, na Casa da Fiemg, em Ouro Preto, e depois no Diamond Mall, em Belo Horizonte. João Alegria, diretor geral do Canal Futura e Professor do Curso de Design da PUC-Rio, definiu bem o evento: “Um travelling coreográfico, onde a fotógrafa se deixa contaminar pelas pessoas, pela vida, pela cultura e pela natureza humana.”

No ano passado, Carol embarcou em mais uma viagem com os intercambistas, dessa vez trabalhando para o braço europeu da Belo Tours. Foram mais de 2.500 quilômetros, de Paris a Roma, junto com 66 estudantes de 14 países. Dessa mais recente experiência, a fotógrafa revela: “voltei ao velho mundo, respirei novos ares, me inspirei com histórias guardadas em castelos, experimentei de corpo e alma o banho húngaro em Budapeste, andei de bicicleta por Amsterdan e tantas outras aventuras compartilhadas com estes estudantes estrangeiros… E são alguns desses momentos que poderão ser vistos na exposição “Intercambistas pelo mundo”.

 

A Filosofia através do rap

A filosofia nem sempre é vista como uma matéria fácil nas escolas, apesar de sua importância histórica na construção das ideias e da própria identidade das culturas. Segundo o filósofo Immanuel Kant, mais do que uma disciplina a ser ensinada, é um exercício do uso da razão, diferente das demais, no sentido de que é preciso se envolver com ela, e não recebê-la passivamente.

Discussões pedagógicas sobre o ensino da filosofia, como essa de Kant, levam a inúmeros métodos diferentes e inovadores, que permitem conhecer o pensamento dos grandes filósofos. A argumentação talvez tenha sido o recurso mais utilizado pelos educadores, mas uma proposta diferente motivou os alunos da Scuola Superiore: a utilização do rap como meio de envolvimento com um dos filósofos mais badalados dos últimos tempos, Friederich Nietzsche.

Conheça o rap, feito pelos alunos:

 

Reino da Prússia

Província da Saxônia

25 de outubro de 1844

8 horas da manhã

 

Dedicamos esse rap

A nossa Teacher

Que ensinou tudo

Sobre Nietzsche

 

Nietzsche

O filósofo alemão

Morreu em 900

Com problema no pulmão

 

Nietzsche

Estudou filologia

Pra depois se tornar

Um ícone da filosofia

E o presente

É o que importa

Não viva no passado

Viva no agora

 

A filosofia

É o seu forte

Não acredite

Em vida após a morte

 

Nietzsche

Diz que o bom é ser ateu

Quem vive no futuro

No presente se perdeu*

 

Nietzsche

Diz que Deus está morto

Renuncie a alma

E valorize o corpo

 

O tumor da sociedade

O famoso cristianismo

Suas obras foram usadas como

Instrumento do nazimo

 

Mas isso não foi ele quem escreveu

Sua obra foi modificada

Pela irmã, quando morreu.

 

Ética dos guerreiros

Eu vou mandar o papo

Seguiu muito a moral

“Virô” ética dos escravos

 

Agora eu vou falar das forças

que regulam o mundo.

Então, preste bem atenção

No rap desses  alunos*

 

Uma dessas forças

É a dionisíaca

Que pode ser encontrada

Como poesia lírica

 

E a apolínea

Mais ligado à ética

Ordem, regras, harmonia.

Poesia épica

 

E o Wagner

Que era seu melhor amigo

Mas fez uma obra apolínea

E viraram inimigos

 

Pro mal do ocidente

A moral é a culpada

Que nem o niilismo

A filosofia do nada

 

Para não ser que nem ovelhas

Parem de ser fiéis

Aí eu te pergunto, professora,

Cadê o meu dez?

Festa de Natal marca o encerramento do ano 2016

Em uma festa que emocionou alunos, pais e familiares, a apresentação de Natal dos alunos da Scuola Materna foi um sucesso. As crianças, com o tema “Alice no país das Maravilhas”, homenagearam as famílias, dançaram coreografias inspiradas na personagem e cantaram músicas em português, italiano e inglês. No final das apresentações, todos os alunos e convidados apreciaram o presépio que foi construído com rolhas, inspirado na tradição da cidade italiana Nápoles e no presépio mineiro Pipiripau. Visitaram também o Papai Noel, por quem foram presenteadas.

Já a apresentação de Natal da Scuola Elementare, que aconteceu no mesmo dia, teve como tema a Diversidade Cultural, estudada durante o ano. Coreografias ao som de ritmos como salsa, jazz, bossa nova, rock e flamenco ilustraram as diversas manifestações de dança e música apreciadas no mundo todo. Vídeos com mensagens gravadas pelos alunos foram exibidos durante a festa, e um telão com imagens dos diferentes países retratados fez parte do palco da festa.

Para tornar o Natal ainda mais solidário, os alunos doaram livros e materiais escolares para as crianças das Obras Educativas Padre Giussani. Agradecemos a todos que compartilharam o espírito natalino com as doações que alegraram a muitos.

Alunos da Superiore “hackeiam” horta

Os professores de Biologia, Física, Matemática e Química, da Scuola Superiore, começaram nesse semestre um projeto interdisciplinar muito interessante: “Hackeando a Horta”. Os alunos trabalharam de forma multidisciplinar, o que os incentivou no cultivo de alimentos de maneira saudável e sustentável.

Cada matéria está trabalhando com um recorte específico, mas de forma complementar:

· Biologia: bactérias, crescimento vegetal e uso de agrotóxicos;

· Física: temperatura, formas de transferência de calor e mudança de fase;

· Matemática: aplicação do estudo de sólidos;

· Química: ciclo do nitrogênio, ciclo da água, mudança de fase e nutrientes.

O projeto, além de ser uma resposta à sempre crescente demanda da necessidade da prática pedagógica interdisciplinar, incentiva os alunos no cultivo de hortaliças, leguminosas e plantas em geral, pois eles podem associar os conteúdos teóricos trabalhados nas diversas disciplinas à prática. As fases do projeto começaram já nesse semestre e continuarão no próximo. Certamente será um sucesso.

Macbeth, Hamlet e King Lear: interpretando Shakespeare

A criatividade e o empenho são marcas distintivas de um bom aluno e não podem ser realmente passadas, como se o educando fosse uma caixa vazia a ser preenchida pelos educadores. A Fundação Torino, conhecendo seu papel de estimuladora e facilitadora do saber e identificando as expectativas e as necessidades do desenvolvimento integral do ensino, que deve valorizar a criatividade e o empenho, tem priorizado técnicas novas de aprendizagem.

Nesse ambiente, surgem experiências únicas, com práticas pedagógicas enriquecedoras, como foi o caso da apresentação teatral que aconteceu no último dia 13/12, no auditório da escola, feita pelos alunos do II Liceo Scienze Umane, seção A. Nas aulas de Inglês, estudando o autor renascentista, William Shakespeare, a professora Mônica sugeriu que encenassem alguns trechos das peças do dramaturgo. A ideia foi acolhida com muito entusiasmo e foram escolhidas Macbeth, Hamlet e King Lear.

Assim, no dia 13, tivemos uma tarde muito especial com interpretações fantásticas, que contaram com a ajuda do professor de teatro Leandro. Foram três atos, intercalados por vídeos informativos e muito descontraídos sobre as peças encenadas, todas em inglês, para toda a Escola Superiore.

É assim que a Fundação Torino procura sempre trabalhar: com práticas educacionais motivadoras.

Alunos do 3º ano iniciam processo de Orientação Vocacional

Iniciamos em outubro o Processo de Orientação Vocacional com os alunos do III ano, que tem como objetivo apoiar e ajudar aos alunos na escolha dos dois cursos oferecidos pela a Fundação Torino, que é  o Liceo Scientifico e o Liceo Scienze Umane (Técnico em Administração), para ingressarem na   Scuola Superiore.

Acreditamos que esta é uma oportunidade para  nossos alunos escolherem entre qual curso seguir na Scuola Superiore,  mas sabemos que não é um processo simples e existe muita complexidade por trás das escolhas de cada um.

Tomar uma decisão importante é um processo subjetivo e que pede muita reflexão, honestidade, coragem e conhecimento. Cada escolha exige questionamentos próprios, por isso não há como criar uma fórmula que garanta a decisão da melhor opção.

Ajudar os nossos alunos a seguirem estes passos para estarem cientes do que é possível ou não,  pode contribuir muito e deixar as ideias mais claras, amenizando as dificuldades que podem surgir neste momento tão importante e para que a decisão seja tomada com tranquilidade e segurança, diz a psicóloga Educacional da Fundação Torino,  Luciana Gesualdo.

Foram vários os momentos em que os alunos puderem adquirir conhecimento e informação sobre cada curso.

Dentre os vários encontros, tivemos três que nortearam o programa:

  • O encontro com os Diretores  Prof. Umberto Casarotti(Diretor Didático Italiano) e o Prof. Marcus Vinícius Leite (Diretor Didático Brasileiro), que realizaram a explicação e a especificidade de cada curso para os alunos e para as famílias;
  • A presença de 4 alunos do IV ano da Scuola Superiore, caracterizando uma troca de experiências entre eles e todos os alunos da III ano da Scuola Media, onde puderam falar sobre as próprias escolhas e sobre o percurso individual na Scuola Superiore, tranquilizando os alunos que estão neste momento de escolha dos cursos.
  • A explicação das disciplinas ministradas pelas professoras Daria  Porseo (Latim) e Camila Ferreira (Direito), que são específicas de cada curso e que contribuíram muito para o conhecimento de cada curso.

Pensando nisso, a Fundação Torino, com o objetivo de sempre implementar ações que proporcionam apoio aos alunos, está oferecendo o programa de orientação vocacional com encontros regulares, com o apoio da psicóloga educacional e de toda a equipe pedagógica da Escola, para que esta escolha seja realizada com segurança, no dia 16 de dezembro de 2016.

Vida e obra de grandes autores em 4 idiomas

A III Media desenvolveu um projeto de literatura, envolvendo as quatro línguas: português, espanhol,  italiano e inglês. A partir do estudo realizado sobre o gênero conto, os alunos prepararam apresentações sobre diversos contistas, representantes da literatura brasileira, italiana, de língua espanhola e de língua inglesa.

Utilizando a linguagem do vídeo, eles narraram a vida e obra de autores como Machado de Assis, Murilo Rubião, Clarice Lispector, Giovanni Verga, Dino Buzzatti, Edgar Alain Poe, James Joyce e Júlio Cortazar. Alem da apresentação da biografia, analisaram alguns contos desses escritores.